Bem-vindo a Shepperton


Chegou momento de explorarmos um pouco sobre a cidade onde se passa nossa crônica Manchas do Passado. Enquanto não iniciamos a segunda temporada vamos entender um pouco sobre essa cidade de tantos mistérios.

Shepperton é uma grande vila suburbana no bairro de Spelthorne, a aproximadamente 24 km a sudoeste do centro de Londres. Historicamente parte do condado de Middlesex, foi transferido para Surrey em 1965. Shepperton é equidistante entre as cidades de Chertsey e Sunbury-on-Thames. A aldeia é mencionada em um documento de 959 D.C e no Domesday Book.


No início do século 19, escritores e poetas residentes incluíam Rider Haggard, Thomas Love Peacock, George Meredith e Percy Bysshe Shelley, que foram atraídos pela proximidade do Rio Tâmisa. O rio foi pintado em Walton Bridge em 1754 por Canaletto e em 1805 por Turner. A eclusa de Shepperton e a próxima eclusa de Sunbury foram construídas na década de 1810 para facilitar a navegação fluvial.



A urbanização começou na última parte do século 19, com a construção em 1864 das linhas férreas de Shepperton, que foi patrocinada por William Schaw Lindsay, o proprietário da mansão Shepperton. Sua população aumentou de 1.810 residentes no início do século 20 para um pouco menos de 10.000 em 2011. Lindsay esperava estender a ferrovia sentido Chertsey para conectá-la com a linha principal sentido sudoeste, entretanto a estação da Vila continua sendo a estação terminal. A proximidade de Shepperton com Londres levou ao estabelecimento de pequenas empresas ao longo de sua rua principal no final do século.


Embora um resumo da história de 1994 indique que Shepperton se referia à habitação de Shepherd, que antes teria sido transliterada para a língua saxônica como Sceapheard-ton, o lugar foi encontrado em um documento de 959 D.C, como Scepertune, que o livro Middlesex (Robbins, 1953), afirma que significava fazenda do pastor. O nome de uma das trilhas mais antigas, Sheep Walk, pode datar do período medieval e talvez estivesse em uma vasta área de prados baixos que produziam lã. 



Shepperton no Domesday Book de 1086 foi registrado pelos conquistadores normandos como Scepertone, com uma população de 25 famílias e era mantido pela Abadia de Westminster, incluindo um campo com sete carucates (equivalente a 120 acres ou 49 hectares.) e um açude.

A área de Church Lane e Church Square, que conduz ao rio e ao lado dela, antecede em vários séculos a High Street como o núcleo da vila. Quando a Ferrovia do Vale do Tâmisa construiu em 1864 o término da estação ferroviária de Shepperton, 1 milha (1,6 km) ao norte, durante os 12 anos iniciais somente um único trem fazia a rota entre Strawberry Hill e a vila lentamente se expandiu em seus campos ao norte. Sua expansão foi em grande parte devido às contribuições e permissão de W. S. Lindsay, o proprietário da mansão Shepperton.

O rio Tâmisa foi importante para o transporte desde o final do século 13 e transportava cevada, trigo, ervilhas e raízes vegetais para os mercados de Londres; mais tarde, madeira e materiais de construção como tijolos, areia, cal e pólvora.



Embora a vila fosse totalmente agrícola até o século 19, existem originalmente mausoléus da pequena nobreza local no cemitério da igreja, dois dos quais são dedicadas aos seus servos negros naturalizados, Benjamin e Cotto Blake, que morreram em 1781. Elas trazem a inscrição "Davo aptio, Argo fidelior, ipso Sanchone facetior". Durante esse longo período desde a conquista, a riqueza do reitor local e de seu bispo foi grande: William Grocyn foi reitor de 1504-1513 e foi um acadêmico clássico de Oxford que se correspondia regularmente com Erasmus e Lewis Atterbury. 


Uma grande renda líquida de aluguéis e dízimos de £ 499 por ano foi paga à reitoria pertencente a S. H. Russell em 1848; isso se compara a £ 600 de ajuda aos pobres, incluindo para sustentar sua casa de trabalho, pagos em 1829.


Diz-se que partes antigas de Shepperton são assombradas pelo fantasma de um monge sem cabeça (um personagem nativo da vila que tenha pelo menos 1 ponto em ocultismo ou sabedoria popular conhece essa lenda). O Battlecrease Hall (antigo lar de Walter Hayes, executivo da Ford e fundador do programa de Fórmula 1 da empresa) dizem seus proprietários e alguns visitantes que o lugar e infestado de poltergeists. 


Shepperton tem uma avenida principal onde o comercio começa lentamente a ser montado e apreciado pelos habitantes da cidade nessa avenida pode ser encontrado um salão de beleza, biblioteca, lojas, ótica, cabeleireiros, uma grande variedade de restaurantes pequenos e alguns muito tradicionais, alguns pequenos cafés, com o terminal ferroviário no extremo norte.


A estação ferroviária de Shepperton recebe lentamente melhorias para que possa alcançar maiores destinos na grande cidade de Londres, atualmente tem uma frota um pouco maior desde do início de suas operações, a grande guerra atrasou em muito as obras destinadas a estação de trem, mas a família Lindsay afirmou que assim que possível irá retomar os investimentos. 

7 visualizações
 

Formulário de Inscrição

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram